quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Apresentação Bolero – Alunos da Escola de Dança Rafael Thomé

 

Olá amigas leitoras do Blog Mania de Mulher!

Embora dançar pareça uma atividade simples, ela é bem complexa e exige certas habilidades como coordenação motora, concentração, memória, ritmo e noção espacial. As pessoas que dançam, possuem maior consciência corporal e criatividade.

bolero eu e jadsonO Bolero é um tipo de dança que me conquistou juntamente com o meu namorado quando iniciamos na dança de salão, devido ao romantismo e a atmosfera de conquista que essa dança inspira. Além disso os passos suaves e lentos facilitavam muito na condução da dama, uma vez que –  como aluno iniciante na dança –, meu namorado precisava de tempo para pensar nos comandos para a execução dos movimentos. Posso afirmar, por experiência própria, que esse ritmo favorece muito aos iniciantes na dança de salão.

Com o passar dos anos, permaneceu a nossa paixão pelo Bolero, o que nos levou – diante de uma excelente oportunidade – a participar de uma apresentação de alunos, organizada pela Escola de Dança Rafael Thomé, da qual há cinco meses temos orgulho de fazer parte.

 

 

O evento, que ocorreu neste mês de dezembro, contou com a apresentação de diversas danças como o forró, bolero, samba, tango, zouk e street dance. Hoje vou me conter apenas no bolero e nos próximos posts irei compartilhar com vocês as demais apresentações.

bolero 1

Nossos professores do bolero, Bruno e Carla, não medem esforços para compartilhar conosco seus conhecimentos e amor pela dança, se deslocando da cidade onde moram para contribuir na nossa aprendizagem e desenvolvimento.

10372152_794091433970578_3502488931691463549_n

No decorrer dos ensaios foram muito dedicados, pacientes e perseverantes conosco e com as dificuldades que alguns de nós tivemos no decorrer do caminho. Na foto acima é possível vê-los nos observando, a Carla vestida da amarelo e o Bruno ao lado dela, agachado ao chão. À eles, nossa sincera gratidão.

bolero 2

 

10372158_794092047303850_364439117262786518_n

As apresentações se realizaram no salão Coronel Barbosa, e contou com a presença de cerca de duzentas pessoas. Os alunos que se apresentaram foram Paula (eu rsrs) e Jádson, Joice e  André, Andreia e Paulo, Josélia e Renan, Iraneide e Márcio.

Acompanhem no vídeo abaixo como foi a nossa apresentação!

Coreografia de Bolero

 

Para saber um pouco sobre a história do Bolero acompanhem o texto abaixo.

O primeiro registro da palavra Bolero que se tem conhecimento, data do século X, de uma dança de origem árabe, o Bolero de Algodre, que era dançado em grupos de três passos – um rapaz e duas moças. Embora não pareça o Bolero ter aí sua raiz, devido ao fato dos mouros terem ocupado a Espanha por muitos séculos, não é de se estranhar que o espanhol tenha absorvido essa palavra, que para muitos vêm de boleras (bolas) que ornamentavam os vestidos das ciganas. Enquanto para outros, vem de volero (volar, voar) pois estas dançarinas pareciam estar voando ao fazerem seus rodopios e movimentos nos vestidos. De qualquer forma, estas versões nos dão uma certeza, que a origem está na Espanha, e não na França ou Inglaterra, onde andou como o nome de danza e contradanza, como sugerem alguns.

A formatação musical do bolero, como conhecemos hoje, desenvolveu-se principalmente em Cuba, mas também com grande vigor em Porto Rico, República Dominicana e México, seu principal difusor. A dança Bolero praticada atualmente no Brasil tem suas origens no Rio de Janeiro, sob grande influência do Tango. Já em outros países latinos, está mais próxima de uma Rumba mais lenta, sem muitas variações de figuras, pois é tida como dança para romance.

A história do bolero como dança pode ser destacada em três momentos, antes de ser "cubanizada" em meados do século XIX, pós Cuba e a criação do estilo carioca de se dançar Bolero.

Inicialmente era executado com acompanhamento de castanholas, violão e pandeiro, tal qual o fandango (dança espanhola de origem árabe), enquanto o casal, sem se tocar, realizavam sensuais movimentos de aproximação e afastamento.

Em 1780 o bailarino espanhol Sebastian Cerezo criou com muito sucesso uma variação baseada nas Seguidillas, bailados de ciganas andaluzes, cujos vestidos eram ornamentados com pequenas bolas (as boleras), o que veio reforçar a versão da origem do nome Bolero.

Traduzido pelos espanhóis para suas colônias na América, ele foi se modificando pelas influências locais e recebendo contribuições, em especial de ritmos vindos da África, assim como a contradanza francesa, que levou aos dançarinos cubanos a novidade do casal dançar entrelaçado, o que gerou grande rebuliço na burguesia e aristocracia cubana, fazendo com que os pais orientassem suas filhas a dançarem com os quadris afastados, somente a parte de cima teria contato, característica que hoje não se vê mais no Bolero cubano, dançado com movimentos semelhantes aos da Rumba, porém, mais lentos e com poucas variações, mas que ainda permanece em muitos dançarinos de son e salsa.

Curiosamente, só no Brasil, em especial no Rio de Janeiro, essa dança adquire uma estrutura mais complexa incorporando movimentos do tango, como trocadilhos, esses, caminhadas, cruzados e giros. Nos demais estados, até o início da década de 90, restringia-se praticamente a base do "dois pra lá e dois pra cá" ou mesmo ao "um pra lá e um pra cá" dos dançarinos mais antigos.

Mesmo com toda essa trajetória de transformações sempre foi mantido seu caráter de dança de galanteio, suave, terna e romântica, com movimentos caracterizando uma eterna busca da conquista da mulher amada, que por sua vez seduz o parceiro, num jogo que pode durar 3 minutos ou mesmo uma vida inteira.

Nos dias atuais, o Bolero ainda é visto como um estilo de dança um pouco careta entre muitos que não têm a noção do que é a dança.

Fonte: Dança a dois e BH dança de salão

LEIA TAMBÉM

Apresentação de Samba – Alunos da Escola de Dança Rafael Thomé

Apresentação de Forró – Alunos da Escola de Dança Rafael Thomé

Apresentação de Zouk – Alunos da Escola de Dança Rafael Thomé

Primeiros Passos para Dançar Tango

Creme anti rugas caseiro, receita do Dr. Ivo Pitanguy

Li e Indico: A Fúria dos Reis

Resenha Absolut Control L'Oréal

Aprenda a fazer flor de jujuba para decorar festas

Nenhum comentário:

Postar um comentário